quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Nordeste: o retrato mais fiel do Brasil pós-ré-pública

O Nordeste talvez seja a maior vítima do sistema implantado a partir de 1889.

Quem olha para o Nordeste brasileiro hoje mal pode imaginar que esta mesma região foi, por muito tempo, uma das áreas mais prósperas do ocidente e fonte geradora de grandes nomes da intelectualidade nacional. De lá vieram nomes como Castro Alves, José de Alencar e até o golpista mais arrependido da História do Brasil: Ruy Barbosa.

O cenário de "Vidas Secas" de Graciliano Ramos, o mesmo cenário retratado pelo discurso de Nossa Senhora no "Auto da Compadecida" de Ariano Suassuna, é a base histórica de toda a economia do Brasil e, a despeito de tudo, ainda permanece sendo a terceira região mais rica do Brasil, atrás das regiões Sul e Sudeste.


A seca no Nordeste em 2013: história que se repete, problemas que nenhum político quer resolver porque a miséria do povo rende votos

Dom Pedro I foi o primeiro estadista a procurar saber das potencialidades e dificuldades vividas pelos pequenos produtores rurais da região... visitou a região e determinou um estudo profundo que apontasse possíveis soluções para a falta de água, afinal de contas, com o mesmo solo, o litoral era a maior lavoura de cana-de-açúcar do mundo!

E Sua Majestade tinha razão! Recentemente, só para citar um exemplo, em áreas do sertão - antes muito pouco valorizadas - como Luis Eduardo Magalhães-BA, produtores de soja vem conseguindo bater consecutivos recordes de produção e qualidade.

Lavoura de soja em Luis Eduardo Magalhães-BA. Antes um lugar conhecido por um simples posto de gasolina; hoje, uma das regiões mais prósperas do Brasil que acolhe e dá oportunidades para milhares de pessoas

A partir da república, no entanto, o Nordeste foi feudalizado - política e economicamente - por coronéis regionais que patrimonializaram o Estado e clientelizaram a consciência da população, negando-lhe acesso à educação e promovendo um processo de segregação social que impôs à maioria dessa gente uma condição de vida idêntica subsaariana... até hoje - e que me perdoe o atual governo e suas propagandas lindas e coloridas - é a parcela da população brasileira com menos acesso à educação de qualidade, saúde pública digna, qualificação para o mercado de trabalho, acesso à livre informação... ou seja, o Nordeste é o mais claro retrato do retrocesso econômico e social que nos impôs o golpe de 1889.