quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Sobre a origem dos Títulos Nobiliárquicos


Por: Fátima Cardoso, do Círculo Monárquico Brasileiro - CMB, pelo facebook

Simbologia heráldica dos títulos nobiliárquicos
São títulos nobiliárquicos de nível hierárquico ascendente sendo a de barão a de nível mais baixo na aristocracia britânica. Foi introduzido na Inglaterra à época da conquista dos normandos (1066). Esse título foi dividido em barões maiores e menores de acordo com as terras que possuíam. Essas propriedades eram passadas de pai para filho estabelecendo-se assim a aristocracia feudal. Os barões maiores tornavam-se condes ou duques tendo os barões menores como seus dependentes. Esse título é conferido a personalidades por serviços especiais prestados,ou em reconhecimento de suas obras no campo das artes ou letras. O Barão é chamado de "lorde" e tem direito a uma cadeira na Câmara dos Lordes.


COROA

É um ornamento circular usado sobre a cabeça ou em torno dela como símbolo de autoridade,mérito ou distinção.A coroa real é o símbolo da autoridade suprema de um rei ou de uma rainha, mas geralmente só é usada em solenidades oficiais. Estas coroas costumam ser feitas de ouro trabalhado e adornadas com pedras preciosas.

Coroa Imperial de Dom Pedro II, considerada pelos principais museólogos do Brasil como a peça mais rara e cara de todo o acervo nacional

História das Coroas


Vários ornatos para a cabeça, enfeitados com jóias, foram usados pelos reis do antigo Egito e da Assíria.Os gregos ofereciam aos seus atletas uma coroa ou diadema de folhas de oliveira como símbolo da vitória.Mais tarde os romanos vieram a adotar este costume. Suas coroas eram feitas de metal, geralmente ouro, e usadas pelos imperadores romanos. A partir do reinado de Constantino (306-337), a coroa passou a ser considerada como símbolo do poder real. Mais tarde os soberanos europeus provavelmente tomaram emprestado dos romanos o hábito de usar uma coroa.


Era uma coroa usada pelos reis lombardos e pelos imperadores do Sacro Império Romano, quando esses se tornaram reis da Lombardia. Ela é feita de ouro e ornada com jóias e esmalte com cores separadas por finas lâminas metálicas de contorno. Seu nome se deve a um aro de ferro interior que a tradição diz ter sido feito de um prego da cruz de Cristo. A Coroa foi feita provavelmente por artesãos lombardos nos séc.VI. Carlos Magno, o imperador Carlos V do Sacro Império Romano, e Napoleão I usaram a Coroa de Ferro, que se encontra atualmente na catedral de São João Batista, em Monza, na Itália.


COROAÇÃO


É a cerimônia na qual um rei, rainha ou papa recebe publicamente uma coroa como símbolo do poder. É sempre uma cerimônia cheia de ritos e tradições. A maioria das coroações são de caráter religioso e político, e geralmente é uma autoridade religiosa que conduz a cerimônia. Durante a solenidade o novo soberano recebe também outros símbolos de realeza. Ao assumir o poder, faz um juramento solene de que reinará com sabedoria.


O Cerimonial de Coroação na Inglaterra

Possui mais ou menos as mesmas características de cerimônias semelhantes em outras partes do mundo. Realiza-se na abadia de Westminster. O novo monarca é conduzido da porta oeste da abadia, ao longo da nave, até o transepto (área entre o final da nave e o altar). É aí que se realiza a cerimônia.Primeiro, o monarca senta-se na Cadeira de Estado. As insígnias reais – a coroa, o orbe (esfera com uma cruz sobreposta como símbolo da realeza), o cetro, o bastão, as espadas reais, os anéis e braceletes usados na cerimônia – são colocados sobre o altar. O arcebispo de Cantuária apresenta o monarca aos presentes como o verdadeiro governante do reino. Este pronuncia então o juramento solene, no qual promete reinar com justiça e defender a Igreja da Inglaterra. O monarca recebe a Bíblia que é colocada sobre o altar. Inicia-se depois o cerimonial da comunhão.


Após o credo, é interrompido o cerimonial da comunhão e, sem o manto, o monarca vai sentar-se na Cadeira do Rei Eduardo, também chamada de Cadeira da Coração. Nela o monarca é ungido (recebe os santos óleos que simbolicamente lhe transferem a autoridade). E vestido com um manto bordado a ouro. São trazidas então as Esporas de São Jorge, símbolo da cavalaria. Até o final da cerimônia, a Espada do Reino é retirada da bainha e posta diante do monarca.
Cerimônia de coroação de Sua Majestade Real Elizabeth II da Inglaterra

A coroação na Inglaterra é uma cerimônia muito antiga. A mais remota coração inglesa de que se tem conhecimento foi realizada no ano de 750. O Rei Eduardo I (1272-1307) mandou fazer a Cadeira da Coração pra nela colocar a Pedra de Scone (ou Pedra do Destino), que era a Pedra da Coração dos antigos monarcas escoceses.


Histórico

As antigas tribos germânicas elegiam seus governantes. O novo monarca recebia uma lança e um diadema de seda ou linho, que era colocado em sua cabeça. Depois, sentava-se sobre o escudo e seus pajens levantavam-no, a fim de que fosse aclamado pelos súditos. O cerimonial religioso, retirado da Bíblia, teve grande influência sobre as cerimônias de coroação depois do surgimento do cristianismo. Segundo narra a Bíblia, os reis eram ungidos com o crisma (mistura de óleo e bálsamo).O povo acreditava que o crisma dava ao rei ungido poderes miraculosos. Na Inglaterra, havia a crença popular de que as pessoas que conseguissem tocar n manto do rei ficariam curadas de qualquer moléstia. Em algumas cerimônia de coroação, o rei era ordenado em uma das ordens menores do clero. O monarca do Sacro Império tornava-se subdiácono e cônego das igrejas de São Pedro e de São João de Latrão, em Roma.


Barão, Visconde, Conde, Marquês, Duque, Príncipe, Rei e Imperador

No Brasil o título de Barão foi sempre reservado aos pequenos nobres. O primeiro título de Barão foi concedido em 1822 ao coronel e comendador Antonio Joaquim Pires de Carvalho e Albuquerque, Barão da Torre,e a Garcia de Ávila por serviços prestados à Independência. D.Pedro I concedeu 43 títulos de barão e o Império teve ao todo 950 barões. Outros títulos de barão foram concedidos a brasileiros pela Santa Sé, em reconhecimento por serviços prestados à Igreja.


O título de Conde é um título de nobreza inferior ao de Marquês e superior ao de Visconde. A palavra vem do latim "comes" que significa companheiro. Servia para designar os que acompanhavam os procônsules romanos.
O Visconde de Mauá, maior defensor e impulsionador da iniciativa privada no Brasil

Marquês era antigamente usado para quem comandava as guarda das marcas ou fronteiras de um estado. O título de marquês é um título nobiliárquico de alta nobreza que na ordem hierárquica é superior ao conde e inferior ao duque.

O título de Duque vem da palavra latina "dux" (comandante) e é o título mais alto depois de Príncipe. Na Inglaterra há poucos duques, fora os da família real, cujos filhos têm os títulos de duques reais. Originalmente o duque era o comandante numa batalha e às vezes também um governante. O primeiro duque inglês foi o Príncipe Negro, o filho mais velho de Eduardo III, que se tornou duque na Cornuália em 1337. No Brasil, Luís Alves de Lima e Silva (Duque de Caxias) recebeu o título de Duque. A Duquesa de Goiás, filha legitimada de D. Pedro I e da marquesa de Santos foi a primeira titulação ducal do Brasil. Também o duque de Santa Cruz (Príncipe Eugenio de Leuchtemberg foi titulado por ser irmão da Imperatriz D. Amélia quando da chegada de ambos ao Brasil em 1829).