sábado, 31 de agosto de 2013

Os argumentos de uma república golpista (parte 1) - a Lei Áurea


Em edição especial para o centenário da proclamação da república, a revista VEJA trouxe a público os argumentos utilizados pelos golpistas de 1889. As desculpas esfarrapadas por eles elencadas procuravam a todo custo justificar atos que, hoje, mostram-se contraditórios, abusivos e incapazes de disfarçar sua crescente sanha de arrancar do povo brasileiro cada gota de seu sangue e suor, cada fibra de sua carne, cada níquel de seu bolso, para alimentar uma máquina corruptora e corruptível criada naquele infeliz 15 de novembro.

O primeiro argumento levantado foi a política abolicionista adotada pelo Segundo Reinado. Assim descreve a revista VEJA a Lei Áurea:

Com a Lei Áurea, a princesa Isabel radicalizou. Ela expropriou os donos de escravos, que se viram privados de suas propriedades sem receber nada em troca. Essa violência contra escravocratas não ocorreu em país nenhum do mundo...

Lei do Ventro Livre - setembro de 1871

 Pergunta número 01 - Como assim, “os donos dos escravos se viram privados de suas propriedades”?!

Ora, já era um dispositivo claro na Constituição de 1824 que a abolição no Brasil era um fato irrevogável!! A Coroa já havia dado claros sinais de sua extinção em 1850 com o fim do tráfico negreiro; em 1871, com a Lei do Ventre Livre, e; em 1885, pela Lei do Sexagenário... de quantos anos mais precisavam os escravocratas para entenderem que sua absurda sanha por enriquecimento fácil encontraria seu fim??? Quantos anos mais precisavam eles??? Os trinta e cinco anos transcorridos desde o fim do tráfico negreiro até a Lei Áurea não bastavam????!!!!!

Sua desfaçatez foi tão grande que chegaram a exigir indenização da Coroa por haverem perdido – “de uma hora para outra” – todo o seu investimento em mão de obra e que, desta forma, estavam eles fadados à bancarrota.

Ora, convenhamos... realizar qualquer investimento sabendo de antemão que ele está irremediavelmente fadado ao fracasso e culpar o Império por perder a quantia investida só tem um nome conhecido: Malandragem, ou como os advogados preferem... ESTELIONATO! Os fundadores da república no Brasil também foram pioneiros na arte de exigir que o Estado, através do dinheiro público, financiasse sua ineficiência e suas aplicações irresponsáveis... comprovaram isso mais tarde, ao criar leis que arrancavam dos cofres públicos os subsídios monstruosos distribuídos aos produtores e exportadores de café, mantendo-lhes o preço sempre favorável. Prejuízo para o povo, lucro para eles.

Os golpistas de 1889 deixavam claro, assim, que a tão promissora república por eles prometida só tinha uma finalidade... pôr toda a sociedade e também os cofres do Estado ao seu serviço. Já que não podiam mais escravizar os negros, que todos fossem, a partir daquele desgraçado 15 de novembro, seus servos.

Lei Áurea - charge abolicionista de 1888

 Pergunta número 02 - Como assim, “violência contra escravocratas”?!

Em primeiro lugar creio não ser necessário dizer que, se houve algum violentado nesta história toda não foram os escravocratas, mas os brasileiros escravizados; em segundo lugar, convenhamos que seria violência se a libertação dos escravos – como já dito – tivesse sido feita abruptamente, sem dar ouvidos às leis e à ordem, mas tudo isso foi feito com a elasticidade de quase duas gerações, dando tempo mais do que necessário a adaptações ao sistema produtivo.

Se houve violência ela ocorreu após a proclamação da república, quando todas as propostas feitas pela Princesa Isabel e pelos abolicionistas de distribuir pequenos trechos de terra às famílias libertas, para que elas próprias tirassem o sustento através do trabalho, foram simplesmente negadas pelos “progressistas republicanos”; se houve violência, ela ocorreu quando a república deixou que seus ex-escravos, fortes e aptos ao trabalho, fossem marginalizados, prostituídos e “alojados” nas periferias das grandes cidades, formando as primeiras favelas no Brasil; se houve violência, ela ocorreu quando a república escolheu dar educação apenas para as crianças brancas que viviam no centro das cidades, criando uma legião massiva de analfabetos, uma verdadeira massa subsocial.

Golpistas, os líderes republicanos se auto-intitularam "barões do café". Com o poder nas mãos, fizeram leis que desviavam o dinheiro público para si próprios e, assim, garantiram lucros astronômicos de 1891 até 1929 enquanto tudos os avanços sociais conseguidos ao longo do Império eram jogados na lata do lixo.
O golpe da república no Brasil mostra-se hoje como um dos maiores retrocessos sociais vividos nas Américas, sem dúvida um dos maiores do hemisfério sul do planeta, pois atentou contra o justo ato de liberdade defendido por todos os abolicionistas – notadamente o Imperador Dom Pedro II e a Princesa Isabel, seus maiores apoiadores – a Lei Áurea. Se hoje precisamos de cotas raciais em faculdades e universidades, agradeçamos única e exclusivamente à república e seus pais, que roubaram a dignidade e o progresso de todo um povo.
Fonte: http://veja.abril.com.br/historia/republica/queda-imperio-velha-monarquia.shtml